set 12 2010

A parábola dos dez talentos

“Bem está bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor…Mau e negligente servo; tirai-lhe pois o talento e dai-o ao que tem dez talentos. Lançai pois o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.” (Mat.25:23-30)

Esta parábola faz parte do sermão profético do Senhor Jesus Cristo. Por ser de conteúdo profético, fala do que ainda está para acontecer.

O Senhor Jesus conta a história de um senhor que ao partir para fora, convoca os seus servos e lhes confia talentos (talento: medida de peso e moeda, na antigüidade grega e romana). Ao primeiro servo, lhe confia cinco talentos, ao segundo dois talentos e ao último servo lhe confia apenas um talento.

Esse senhor não desejava voltar de onde tinha ido e receber a mesma quantia que deixou com seus servos. Estes servos deveriam granjear lucros e devolver para o seu senhor.

Volta então o senhor daqueles servos e presta contas com eles. O primeiro servo, tendo recebido cinco talentos, deu ao seu senhor dez talentos. Na mesma proporção, o segundo servo, tendo recebido dois talentos, deu quatro talentos ao seu senhor. Estes dois primeiros servos, apesar de possuírem um número de talentos diferentes, renderam igualmente o dobro. Ambos foram fiéis e prudentes, e entraram na presença do senhor.

O terceiro servo, diferente dos dois primeiros, foi negligente e covarde. Além de não lucrar nada do talento que lhe foi confiado, escondeu-o na terra, com a desculpa de precaução de roubo. Esse mau servo não entrou na presença do senhor, pelo contrário, foi lançado nas trevas exteriores.

O senhor da parábola é uma figura do Senhor Jesus Cristo. O Senhor veio a este mundo, com o único propósito de “buscar e salvar o que se havia perdido.” (Luc.19:10). Ele tem dado a todos os pecadores (todos nós) o caminho para a vida eterna, pela fé no Seu nome e na Sua obra redentora na cruz. A salvação de uma alma, aos olhos do Senhor, é caríssima (Sl.48:9), mas o sangue de Cristo resgata a alma mais imunda. Sendo assim, cada ser humano tem em suas mãos esse talento (ou talentos), que em figura nos fala da fé salvadora.

Os dois primeiros servos nos falam dos que crêem no Senhor Jesus como Salvador. Estes certamente estão “dando lucros” para a glória de Deus, pois possuem o imenso privilégio de servir ao Deus vivo e verdadeiro, trabalhando na Sua obra. Os cristãos são aqueles que tendo recebido a fé da parte de Deus, não foram negligentes, antes obedeceram a fé (Rom.1:5), ou seja, creram no Evangelho. E uma vez crido no Salvador, podem render frutos para a glória de Deus. Será para estes que o Senhor dirá: “Entra no gozo do teu Senhor”.

Por outro lado, os que não crêem são retratados pelo terceiro servo da parábola. Os incrédulos, apesar de ouvirem acerca da Salvação de Deus, através de Seu Filho, permanecem negligentes. Todos têm recebido a chance de um lugar no céu, mas multidões estão “escondendo este talento na terra”, ou seja, em vez de se agarrarem ao único Caminho para o céu: Jesus Cristo, estão desperdiçando sua vida nos prazeres deste mundo. Com relação a estes Deus dirá: “Lançai pois o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.” Penso que nem preciso dizer o que isso significa. Sim, o inferno está esperando todos aqueles que desprezaram o amor de Cristo, e amaram o pecado.

Assim diz o versículo 29: “a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver, até o que tem lhe será tirado.” A pergunta é: “Tiver o quê?” Esse versículo nos faz lembrar do que disse também o Senhor Jesus: “Eu vim para tenham vida e a tenham com abundância.” (Jo.10:10). Logo, gozarão de vida eterna somente aqueles que têm fé no Senhor Jesus. Foi Ele mesmo quem disse: “Todo aquele que crê em mim, tem a vida eterna.”(Jo.6:47)

Caro leitor, o Senhor Jesus se ausentou por algum tempo (já se passaram quase dois mil anos), e deixou diante de você uma grande salvação. Você pode ter a certeza da vida eterna, se tão somente se arrepender de seus pecados e confiar nEle como teu Salvador pessoal. O talento já está em suas mãos. O que acontecerá se o Senhor Jesus voltar agora mesmo??!!? Terá você crido nEle, ou desperdiçado sua vida neste mundo e no pecado? Você ouvirá dEle: “Entra no gozo do teu Senhor” ou ouvirá o decreto a seu respeito: “Lançai o servo inútil nas trevas exteriores” ? Choro e ranger de dentes será o seu fim se negligenciar sua situação de pecador perdido e desprezar tão grande amor de Deus.

Creia hoje mesmo no Salvador Jesus Cristo, confessando a Ele seus pecados. Assim, o grande dia da Sua volta não será de tristeza para você, mas será de grande alegria, e alegria eterna.

2 Comentários em “A parábola dos dez talentos”

  • eliane Escreveu:

    Onde Jesus estava quando proferiou a parábola dos dez talentos?

    • Leonardo Escreveu:

      Prezada Eliane, obrigado por seu comentário e pergunta.

      O Senhor Jesus estava em Jerusalém quando proferiu esta parábola. Veja que em Mateus 21:1, Ele e Seus discípulos “se aproximaram de Jerusalém”. Avançando um pouco mais, no versículo 10, o Senhor Jesus estava “entrando em Jerusalém”. A partir de então Ele inicia uma série de parábolas, todas voltadas para os judeus. Nos capítulos 24 e 25 o Senhor Jesus, tendo saído do Templo (24:1), começa a profetizar sobre os acontecimentos futuros. Foi neste instante que Ele profere a parábola das virgens. Destaco abaixo o motivo por quê o Senhor Jesus foi para Jerusalém:

      Eis que vamos para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, e aos escribas, e condená-lo-ão à morte. (Mateus 20:28)

      Ele foi para Jerusalém para morrer pelos teus e pelos meus pecados!

      Apesar de todas as parábolas neste trecho das Escrituras terem tido como alvo o coração do povo judeu, os quais rejeitaram o Seu Messias, algumas podem ser aplicadas tranquilamente à mensagem do Evangelho, o que nós fizemos ao escrever esta mensagem.

Deixe um Comentário