abr 12 2014

Barrabás

“Fora daqui com este, e solta-nos Barrabás” (Lucas 23:18)

“Se um morreu por todos, logo todos morreram” (II Coríntios 5:14)

Barrabás era um grande problema. Ele era bem conhecido (Mateus 27:16). Sendo revolucionário, foi preso junto com outros amotinadores, tendo assassinado possivelmente uma autoridade romana na ocasião de um motim (Marcos 15:7). Visto que a narrativa bíblica também o descreve como um ladrão (João 18:40), além de inimigo de Roma, é bem provável que também não era bem aceito pelo seu povo judeu. Sua prisão e condenação à morte deve ter sido um alívio para todos. Preso e condenado, Barrabás aguardava sua morte. Barrabás seria crucificado.

O Senhor Jesus também era bem conhecido, mas por razões totalmente opostas as de Barrabás. Em pouco tempo de ministério, com simplicidade e discrição, sua boa fama se propagou e muita gente O seguiu para ouvi-lO e para ser por Ele curada das suas enfermidades (Mateus 4:24 / Lucas 5:15). Infelizmente muitos O seguiram somente por interesse, contudo o Senhor conhecia o coração e a intenção de cada um deles. Todo o povo, inclusive Barrabás, foi testemunha das bondades, sinais e maravilhas que Deus operou entre eles por meio de Jesus Nazareno (Atos 2:22). Por certo, antes de ser preso ou estando na prisão, Barrabás tinha ouvido falar de Jesus. Até Herodes, mesmo que por motivos torpes, quis conhecê-lO (Mateus 14:1).

A sentença de Barrabás seria a morte. Ele sabia que uma cruz foi ou estava sendo preparada para ele. Contudo na noite que antecedeu sua execução, o Senhor Jesus havia sido traído e levado à casa do sumo sacerdote Caifás, onde no pátio da casa foi inquirido pelos invejosos escribas e anciãos, os quais buscaram falso testemunho contra o Senhor para de conduzi-lO à morte. Barrabás não sabia o que estava para acontecer na manhã seguinte. O que ele sabia é que estava condenado e que sua morte estava próxima.

Amanheceu e Barrabás foi chamado para comparecer perante o povo. Seria a hora de ser morto? Havia um alvoroço na multidão. Colocaram ele ao lado (Mateus 27:21) do Senhor Jesus. Depois de traído, ofendido, ferido e humilhado, agora colocam o Santo e Perfeito Filho de Deus ao lado de Barrabás, um ladrão, revolucionário e homicida. E eles estavam ali diante do povo, pois um deles seria escolhido pelo povo para ser solto e outro para ser morto. Barrabás poderia ter bem pensado: o povo escolheria a mim, um malfeitor, no lugar deste que só fez o bem aos outros? Então ele ouviu: “Fora daqui com este, e solta-nos Barrabás” (Lucas 23:18).

O que deve ter se passado na mente de Barrabás? Em uma noite ele dormiu condenado a morrer e acordou livre. Ele foi solto, viu-se livre da morte, e o Senhor Jesus sendo condenado a morte em seu lugar. Barrabás viu o Senhor Jesus sendo levado para dentro de uma câmara, lugar onde deu-se início a uma sessão de violência contra o corpo santo do Filho de Deus, seguido de zombarias cruéis, vergonha e desprezo. Dali o Senhor Jesus carregou a cruz até o monte Calvário, onde foi crucificado.

A Bíblia não fala absolutamente mais nada sobre Barrabás. O Espírito Santo não revelou mais nenhum detalhe sobre Barrabás. Deus quis contar somente sobre sua vida de pecado, sua prisão e soltura. O que Barrabás fez, depois de solto, não é sabido. No decorrer da história, muito já se tem falado e escrito sobre o que pode ter acontecido com Barrabás. Como ele pôde ter convivido com a lembrança que um Justo morreu no lugar dele? Mas Deus encerra a história de Barrabás, através da Sua Palavra, com a condenação e crucificação do Justo nazareno, em seu lugar.

Não resta dúvida alguma: a cruz que Jesus Cristo carregou e nela foi pendurado foi preparada para Barrabás. Era Barrabás que merecia morrer nela. Aqueles pregos que traspassaram as mãos e pés do Senhor deveriam ter traspassado as mãos e pés de Barrabás. Ele morreu no lugar de Barrabás. O Justo morreu por Barrabás, o injusto. Barrabás é mal, Jesus é Bom. Barrabás é quem deveria morrer, mas o Senhor Jesus de fato nenhum mal fez.

Eu sou Barrabás. Você é Barrabás.

PRIMEIRO: Somos maus e pecadores como Barrabás. Veja o que Deus afirma a nosso respeito:

“Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; Com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos. Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus” (Romanos 3:9-18)

SEGUNDO: Se Barrabás merecia a morte por ser um malfeitor, todos nós igualmente, por sermos pecadores contra o Santo Deus, somos merecedores da morte eterna:

“A alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18:20); “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23); “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23); “O pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tiago 1:15)

TERCEIRO: Cristo não morreu somente no lugar de Barrabás, mas Ele veio ao mundo com o propósito de morrer por todos, para que nEle tenhamos liberdade da escravidão do pecado, perdão da pena e culpa do pecado e salvação eterna com Deus.

“O Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lucas 19:10); “Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância – eterna (João 10:10); “Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores” (I Timóteo 1:15); “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o Justo pelos injustos, para levar-nos a Deus” (I Pedro 3:18)

Não sabemos em qual estado Barrabás se encontra neste momento, se em gozo na presença de Deus ou em tormentos no inferno. Deus deu a ele a oportunidade para considerar Aquele que foi morto, corporalmente, eu seu lugar. Mas para sua salvação eterna ele precisava entender que Aquele que estava sendo morto no monte Calvário, na cruz que foi talhada para ele, era para pagar a sua impagável dívida com Deus, por causa do seu pecado. E ao entender isso, pelo poder de Deus, Barrabás deveria ser arrepender e confiar em Jesus Cristo como seu Salvador.

Não sabemos mais nada sobre Barrabás.

Mas e quanto a você? Qual será a sua história daqui para frente? Onde você passará a eternidade depois desta vida?

“Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Marcos 1:8); “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo” (Atos 16:31)

2 Comentários em “Barrabás”

  • Marcelo Escreveu:

    Não começamos a nossa caminhada neste mundo bem, mas podemos termina-lá bem!
    Se alguém me pergunta-se hoje, qual é o sentido da vida? ou por quê estamos aqui? Eu diria: Viemos à este mundo, ou melhor Deus permitiu que viéssemos à este mundo para fazermos uma escolha.
    Podemos escolher entre a vida e a morte, a felicidade eterna ou o castigo eterno, ou seja entre o Senhor Jesus Cristo ou o mundo!
    O desejo de Deus é que todos escolham a vida, e “esta vida está em Seu Filho”!
    Deus abençoe a todos!!!

Deixe um Comentário