mar 2 2014

Segurança eterna

“E o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre” (Isaías 32:17)

Em algumas ocasiões quando escutava uma rádio de telejornalismo, ouvi um slogam de uma companhia de seguros que diz: “as pessoas seguras são mais felizes”. Desde então esta frase vem me incomodando profundamente. Não pela verdade nela contida, mas pela sua associação com o marketing da seguradora.

A frase é um tanto abrangente e devemos concordar com ela, em si mesma, mas é muito triste constatar que a ‘segurança’ e a ‘felicidade’ estejam sendo conhecidas e experimentadas de modo tão vago e superficial. Não há dúvida que uma pessoa pode estar segura sem estar coberto por uma apólice de seguro. Da mesma forma a sua felicidade não depende se você tem ou não um seguro contratado. Não que seja um erro contratar um seguro, ou ser previdente, mas a felicidade de qualquer não está fundamentado nisto. Continue lendo


jan 17 2014

Direto ao ponto

“Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir.

Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça” (Isaías 59:1,2)

O homem tem procurado enganar sua própria consciência, forjando para si um deus complacente com o pecado. Quer abraçar um deus amoroso, benfeitor e doador, mas que não pune nem condena o pecado. Este não é o Deus verdadeiro! Sim, o Deus da Bíblia, desconhecido pela humanidade, é Amor e cheio de graça e bondade. Mas também é Santo e Justo. Os atributos da divindade são inseparáveis. Se você deliberadamente ignora qualquer um dos atributos de Deus, a seu bel prazer, você está forjando para si o seu próprio deus.

Não há quem não se agrade quando ouve: “Deus te ama”. Entretanto, dificilmente é aceita a seguinte afirmação, igualmente verdadeira: “Deus odeia o teu pecado”. Sim, Deus ama o pecador, mas odeia o seu pecado. Ele não tem prazer na morte do ímpio (Ezequiel 33:11), todavia ao culpado não terá por inocente (Êxodo 34:7). Continue lendo


nov 28 2013

A Grande Ceia

“Vinde, que já tudo está preparado” (Lucas 14:17)

O Senhor Jesus estava na casa de um dos principais dos fariseus, comendo em sua casa, em um sábado, sendo observado pelos convidados. Os fariseus e doutores da lei, assim como muitos dos judeus naquela ocasião, eram pessoas que se julgavam dignas de receber um lugar no céu pelos seus próprios méritos. Julgavam-se melhores que outras pessoas e entendiam que as bênçãos celestiais e eternas não eram uma dádiva gratuita da parte de Deus. Eles precisavam dar a Deus algo em troca. Confiavam nas suas obras e tinham certeza que, para serem recebidos na presença de Deus, deveriam fazer por merecer. Continue lendo


out 23 2013

Daqui a 100 anos

Daqui a 100 anosQue diferença fará daqui a 100 anos se o leitor:

1) Morou num palacete – ou num casebre?

2) Se usou roupas de marca – ou roupas baratas?

3) Se passou as férias no Hawai – ou em casa?

4) Se comeu filet mignon – ou pão duro?

5) Se dormiu em colchão de centenas de contos – ou numa pobre esteira?

6) Se teve automóvel próprio – ou andava de transportes públicos?

7) Se teve empregados às suas ordens – ou recebia ordens de um patrão?

8) Se era reconhecido – ou era ignorado?

9) Se pertenceu à classe social alta – ou era plebeu?

10) Se teve 100 milhões guardados no banco ou vivia num tremendo aperto:

QUE DIFERENÇA FARÁ TUDO ISSO DAQUI A 100 ANOS?

NENHUMA!

Absolutamente nenhuma!

ENTRETANTO… Fará MUITÍSSIMA diferença daqui a 100 anos se HOJE você é uma pessoa SALVA ou PERDIDA, pois esse fato DETERMINARÁ se daqui a 100 anos o leitor estará no CÉU ou no INFERNO. Isso fará muitíssima diferença, não somente daqui a 100 anos, mas por toda a eternidade!

O que é necessário que faça para se salvar? Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo (Atos 16:31)

Fonte: http://iqc.pt


set 23 2013

Porque Deus permite o mal

Porque Deus permite o mal

“Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus” (Romanos 11:22)

Dez anos depois dos ataques terroristas do 11 de Setembro, aquele horrível acontecimento, muitos estão novamente levantando a velha questão: “Porque é que Deus permite o mal?”

A Bíblia descreve Deus como Santo (Isaías 6:3), Justo (Salmo 7:11), Reto (Deuteronômio 32:4), e Soberano (Daniel 4:17-25). Estes atributos dizem-nos o seguinte sobre Deus: (1) Deus pode impedir o mal e (2) Deus deseja libertar o universo do mal. Portanto, se isto é verdadeiro, porque é que Deus permite o mal? Se Deus tem o poder de impedir o mal e quer impedir o mal, porque é que Ele ainda permite o mal? Talvez uma forma prática de olhar para esta questão seja considerar algumas alternativas que as pessoas poderão ter para Deus governar o mundo:

1) Deus poderia mudar a personalidade de cada um de modo a não poderem pecar. Isso também significaria que nós não teríamos o livre arbítrio. Não seríamos capazes de escolher o certo ou o errado, porque seriamos “programados” para fazermos apenas o que está certo. Se Deus tivesse optado por fazer isso, não haveria relações significativas entre Ele e a Sua criação. Continue lendo


set 17 2013

O avarento de Marselha

O avarento de Marselha“Quem tem sede, venha. E quem quiser tome de graça da água da vida.” (Apocalipse 22:17)

A cidade de Marselha, no sul de França, é notável pelos seus jardins encantadores; porém, nem foi sempre assim. Antes era uma região árida. Não existem fontes de água nessa região, sendo feito o abastecimento desse precioso líquido para a cidade de Marselha do rio Durance, que dista dela uns cento e sessenta quilômetros, por meio de um canal construído no período de 1837 a 1848.

Muito antes disso, vivia na cidade um homem de sobrenome Guizon. Andava sempre muito ocupado, trabalhava intensamente, notabilizando-se tanto pelas suas atividades como pelo facto de não gastar o dinheiro que ganhava. Parecia ter somente o objetivo de juntar dinheiro. O seu vestuário apresentava sinais de longo uso. A sua alimentação era da mais simples e barata. Vivia só, privando-se de todos os luxos e até mesmo dos confortos mais vulgares da vida. Continue lendo


jul 14 2013

Decepção

Decepção“É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem” (Salmo 118:8)

“Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR” (Jeremias 17:5)

“Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores” (I Timóteo 1:15)

Ouve-se que a decepção é um dos sentimentos mais dolorosos experimentados pelo ser humano. É um sentimento de insatisfação causado por uma expectativa frustrada em algo ou em alguém. É sempre uma triste surpresa, uma inesperada e indesejada situação. E dependendo do grau da decepção, isso pode trazer sérios prejuízos físicos e emocionais. Quando a decepção está relacionada consigo mesmo ou com alguém, é equivalente a uma quebra de confiança. Assim, quanto mais se espera por alguém, quanto mais se confia em alguém, maior poderá ser a decepção. Por este motivo a maior decepção é aquela que vem de quem jamais esperamos. Continue lendo


fev 23 2013

Alerta aos desinteressados

“Era desprezado e não fizemos dele (Jesus Cristo) caso algum” (Isaías 53:3b)

Através desta mensagem em vídeo, Adir R. Magalhães, por ocasião da Conferência em Gama-DF 2013, utilizando quatro textos da Palavra de Deus, explica que o ser humano pode se encontrar em três possíveis fases ou condições em relação à sua situação diante de Deus: desinteresse, despertamento e salvação.

Deus quer que todos se salvem venham ao conhecimento da verdade. Permanecer em seu estado natural, de pecado e perdição, é ignorar o grande amor de Deus por você.

Que Deus, pelo Seu Espírito, desperte você do seu estado de pecado e desinteresse em relação à sua triste situação diante dEle. Só então você poderá compreender o que Cristo fez por você na cruz e, assim, tomar a maior decisão da tua vida, da tua eternidade.

Continue lendo


nov 21 2012

Esse mundo não presta

“Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!” (Lucas 15:17)

Deus conhece os corações. Ele sabe perfeitamente quando um pecador está arrependido dos seus pecados e deseja a salvação da alma. Conhecendo aqueles que sentem o pesado fardo do seu pecado e clamam por perdão e salvação, confiando unicamente no Senhor Jesus como Salvador, Deus mesmo vai ao seu encontro, como o pai daquele filho pródigo arrependido.

Esta mensagem evangelística, em vídeo, foi anunciada na Conferência Bíblica realizada em Pirassununga-SP no dia 15/11/12, entregue por Salomão Gabriel, servo de Deus que reúne na cidade de São José dos Campos. Continue lendo


ago 27 2012

Perdoado

“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8:1)

As Sagradas Escrituras não deixam dúvidas que a salvação das nossas almas é somente através do arrependimento dos nossos pecados e da fé no Senhor Jesus Cristo. Observe a mensagem que o Senhor Jesus pregou quando Ele estava aqui neste mundo: “O tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo: Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Marcos 1:15)

Um pouco antes dEle ser assunto aos céus, o Senhor Jesus deu essa comissão aos Seus discípulos dizendo: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15-16)

Primeiramente a pessoa ouve o Evangelho, entende a mensagem do amor e da graça de Deus manifestados na cruz do Calvário. Ela percebe que estava errada e muda de atitude (arrependimento). Ao mesmo tempo ela crê. Ela abraça por fé. Ela aceita Jesus Cristo como o seu Único Senhor e Salvador e depois ela é batizada. O batismo é um tesemunho público daquilo que já aconteceu no seu coração (o batismo jamais pode salvar alguém – leia Romanos 6:3-4). Continue lendo