jan 31 2011

Não há como escapar

“Se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;?” (Hebreus 2:3)

Deus, na ocasião em que haveria de destruir todos os habitantes das cidades de Sodoma e Gomorra, com fogo e enxofre, anjos (ou mensageiros) foram designados a transmitir a notícia, primeiramente a Abraão (Gên. 18:20-22) e posteriormente a Ló (Gên. 19:11). E a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e todos naquelas cidades foram mortos pelo Senhor, com exceção de Ló, o qual deu ouvidos a voz: Escapa-te por tua vida; não olhes para trás de ti, e não pares em toda esta campina; escapa lá para o monte, para que não pereças” (Gênesis 19:17). Continue lendo





-->

nov 29 2010

O pai da mentira

Leia Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:12-19

“E conhecereis a VERDADE, e a verdade vos libertará” (João 8:32)

“Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da MENTIRA” (João 8:44)

Em um determinado momento na história da criação de Deus, um anjo de luz iniciava uma rebelião no céu contra Deus, Seu Criador. A rebelião, a qual é considerada por Deus tal como a feitiçaria (I Samuel 15:23), motivada pelo orgulho e soberba, fez com que o Senhor expulsasse do céu a “estrela da manhã” e, juntamente com ela, uma parte considerável dos seres angelicais. Sendo cheio de sabedoria, perfeito em sua formosura e caminhos, elevou-se o seu coração, desejando subir acima das mais altas nuvens e ser semelhante ao Altíssimo! Aquele que disse “a minha glória, pois, a outrem não darei (Isaías 42:8) não podia permitir isto e, assim, agindo santidade e justiça, Deus expulsou aquele anjo do céu. Continue lendo





-->

out 18 2010

Não coma com os porcos


“…alegremo-nos; porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido e foi achado” (Lc.15:24)

Talvez seja esta uma das parábolas mais conhecida da Bíblia, da qual muitos até mesmo se valem para representar situações diversas. Mas o Senhor quer nos mostrar, através desta parábola, a verdadeira condição do homem diante dEle: morte e perdição.

Resumindo esta parábola, conta-se de um certo homem que tinha dois filhos. O mais novo pede a sua parte da fazenda, vende-a e vai para longe. Gasta tudo o que tinha com os prazeres desta vida (pródigo = esbanjador) até o dia em que acabou todos os seus recursos Continue lendo





-->