Porque Deus permite o mal

Porque Deus permite o mal

“Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus” (Romanos 11:22)

Dez anos depois dos ataques terroristas do 11 de Setembro, aquele horrível acontecimento, muitos estão novamente levantando a velha questão: “Porque é que Deus permite o mal?”

A Bíblia descreve Deus como Santo (Isaías 6:3), Justo (Salmo 7:11), Reto (Deuteronômio 32:4), e Soberano (Daniel 4:17-25). Estes atributos dizem-nos o seguinte sobre Deus: (1) Deus pode impedir o mal e (2) Deus deseja libertar o universo do mal. Portanto, se isto é verdadeiro, porque é que Deus permite o mal? Se Deus tem o poder de impedir o mal e quer impedir o mal, porque é que Ele ainda permite o mal? Talvez uma forma prática de olhar para esta questão seja considerar algumas alternativas que as pessoas poderão ter para Deus governar o mundo:

1) Deus poderia mudar a personalidade de cada um de modo a não poderem pecar. Isso também significaria que nós não teríamos o livre arbítrio. Não seríamos capazes de escolher o certo ou o errado, porque seriamos “programados” para fazermos apenas o que está certo. Se Deus tivesse optado por fazer isso, não haveria relações significativas entre Ele e a Sua criação. Continue lendo

O avarento de Marselha

O avarento de Marselha“Quem tem sede, venha. E quem quiser tome de graça da água da vida.” (Apocalipse 22:17)

A cidade de Marselha, no sul de França, é notável pelos seus jardins encantadores; porém, nem foi sempre assim. Antes era uma região árida. Não existem fontes de água nessa região, sendo feito o abastecimento desse precioso líquido para a cidade de Marselha do rio Durance, que dista dela uns cento e sessenta quilômetros, por meio de um canal construído no período de 1837 a 1848.

Muito antes disso, vivia na cidade um homem de sobrenome Guizon. Andava sempre muito ocupado, trabalhava intensamente, notabilizando-se tanto pelas suas atividades como pelo facto de não gastar o dinheiro que ganhava. Parecia ter somente o objetivo de juntar dinheiro. O seu vestuário apresentava sinais de longo uso. A sua alimentação era da mais simples e barata. Vivia só, privando-se de todos os luxos e até mesmo dos confortos mais vulgares da vida. Continue lendo

A desobediência e seu castigo (II)

Esta é a segunda e última parte de um estudo bíblico, baseado no capítulo 13 de I Reis, transmitido por Sérgio F. Braz (irmão que reúne na igreja de Deus que está em Niterói-RJ) em meados de 2012.

PARTE 2 – INOPERÂNCIA NA OBRA DE DEUS

“E ele lhe disse: Também eu sou profeta como tu, e um anjo me falou por ordem do SENHOR, dizendo: Faze-o voltar contigo à tua casa, para que coma pão e beba água (porém mentiu-lhe)” (I Reis 13:18)

O profeta velho ganhou o seu hóspede através de uma mentira, porém, assim levou à desobediência e à morte do homem de Deus (vs 18). Uma importante lição que aprendemos com este acontecimento é que o profeta velho morava em Betel. Deus não usou o profeta velho, mas trouxe um profeta de longe, de Judá, para clamar contra o altar. Qual seria o motivo de o profeta velho não ter sido usado nesta obra em sua casa, na sua cidade, Betel? Pode ser que o profeta velho estava inoperante, “enferrujado”. Talvez deixou que o tempo apagasse da sua mente a realidade dos valores espirituais. Podia ele estar tão acostumado com o pecado que já havia se familiarizado com ele. Tudo aquilo se tornara comum a seus olhos, não tinha mais sensibilidade, não sofria, não chorava ao ver o pecado da cidade. ATENÇÃO! Devemos ter cuidado para que o tempo não apague esses valores da nossa mente e coração. Continue lendo

A desobediência e seu castigo (I)

Estudo bíblico, dividido em duas partes, baseado no capítulo 13 de I Reis, transmitido em meados de 2012 por Sérgio F. Braz, o qual reúne na igreja de Deus que está em Niterói-RJ.

PARTE I – ASSENTADO DEBAIXO DE UM CARVALHO

“E (o profeta velho) foi após o homem de Deus, e achou-o assentado debaixo de um carvalho, e disse-lhe: És tu o homem de Deus que vieste de Judá? E ele disse: Sou” (I Reis 13:14)

A nação de Israel vivia um dos períodos mais críticos da sua história. Ela havia se dividido há pouco e o rei Jeroboão, querendo evitar que o povo subisse à Jerusalém para adorar, edificou altares nos lugares altos para o povo adorar ali.

Por ordem do Senhor, veio de Judá a Betel um homem de Deus, um profeta, o qual clamou contra o altar, estando o rei Jeroboão junto do altar para queimar insenso. Tendo o rei ouvido as palavras do homem de Deus, estendeu a mão dizendo: “Prendei-o!”. Só que no mesmo instante sua mão secou e não a podia recolher. Jeroboão então suplica ao homem de Deus para implorar o favor do Senhor, para que ele pudesse recolher a mão. O homem de Deus assim o faz e a mão do rei fica como antes. Continue lendo

Decepção

Decepção“É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem” (Salmo 118:8)

“Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR” (Jeremias 17:5)

“Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores” (I Timóteo 1:15)

Ouve-se que a decepção é um dos sentimentos mais dolorosos experimentados pelo ser humano. É um sentimento de insatisfação causado por uma expectativa frustrada em algo ou em alguém. É sempre uma triste surpresa, uma inesperada e indesejada situação. E dependendo do grau da decepção, isso pode trazer sérios prejuízos físicos e emocionais. Quando a decepção está relacionada consigo mesmo ou com alguém, é equivalente a uma quebra de confiança. Assim, quanto mais se espera por alguém, quanto mais se confia em alguém, maior poderá ser a decepção. Por este motivo a maior decepção é aquela que vem de quem jamais esperamos. Continue lendo

Os Ardis de Satanás

“… para que não sejamos vencidos por Satanás; porque não ignoramos os seus ardis” (II Coríntios 2:10b,11)

Este é um estudo bíblico sobre os ardis de Satanás baseado na primeira carta de Paulo a Timóteo, transmitido por Adir R. Magalhães na Conferência em Gama-DF, no feriado de Carnaval entre nos dias 09 e 12 de Fevereiro de 2013.

O povo de Deus não pode ignorar que Satanás, nosso inimigo, tem os seus ardis, os seus desígnios. Seu objetivo é tentar frustar os planos de Deus e destruir tanto a vida como o testemunho dos crentes e, consequentemente, das igrejas locais. Sabedores dos seus ardilosos propósitos, devemos vigiar nisso com toda a perseverança,  buscando viver no poder de Deus, a fim de que glorifiquemos a Cristo Jesus e Satanás não tenha vantagem sobre nós.
Continue lendo

Alerta aos desinteressados

“Era desprezado e não fizemos dele (Jesus Cristo) caso algum” (Isaías 53:3b)

Através desta mensagem em vídeo, Adir R. Magalhães, por ocasião da Conferência em Gama-DF 2013, utilizando quatro textos da Palavra de Deus, explica que o ser humano pode se encontrar em três possíveis fases ou condições em relação à sua situação diante de Deus: desinteresse, despertamento e salvação.

Deus quer que todos se salvem venham ao conhecimento da verdade. Permanecer em seu estado natural, de pecado e perdição, é ignorar o grande amor de Deus por você.

Que Deus, pelo Seu Espírito, desperte você do seu estado de pecado e desinteresse em relação à sua triste situação diante dEle. Só então você poderá compreender o que Cristo fez por você na cruz e, assim, tomar a maior decisão da tua vida, da tua eternidade.

Continue lendo

As Alianças de Deus com a Humanidade

“Querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do Seu conselho aos herdeiros da promessa, Se interpôs com juramento” (Hebreus 6:17)

Este é um estudo bíblico sobre as cinco alianças de Deus com a humanidade, transmitido por William J. Watterson na Conferência em Gama-DF, no feriado de Carnaval entre nos dias 09 e 12 de Fevereiro de 2013.

Deus é Fiel. Ele sempre cumpre Suas promessas e Seus conselhos são imutáveis, assim como Ele é imutável. E para demonstrar com mais clareza a grandeza dos Seus propósitos eternos para com aqueles que herdarão as Suas promessas em Cristo Jesus, Deus estabeleceu cinco alianças com os homens através dos tempos. Sim, em cinco ocasiões na história da humanidade, Deus Se submeteu às formalidades de uma aliança, um pacto, um tratado com os homens, mostrando assim a seriedade do Seu comprometimento conosco. Continue lendo

Esse mundo não presta

“Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!” (Lucas 15:17)

Deus conhece os corações. Ele sabe perfeitamente quando um pecador está arrependido dos seus pecados e deseja a salvação da alma. Conhecendo aqueles que sentem o pesado fardo do seu pecado e clamam por perdão e salvação, confiando unicamente no Senhor Jesus como Salvador, Deus mesmo vai ao seu encontro, como o pai daquele filho pródigo arrependido.

Esta mensagem evangelística, em vídeo, foi anunciada na Conferência Bíblica realizada em Pirassununga-SP no dia 15/11/12, entregue por Salomão Gabriel, servo de Deus que reúne na cidade de São José dos Campos. Continue lendo

Perdoado

“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8:1)

As Sagradas Escrituras não deixam dúvidas que a salvação das nossas almas é somente através do arrependimento dos nossos pecados e da fé no Senhor Jesus Cristo. Observe a mensagem que o Senhor Jesus pregou quando Ele estava aqui neste mundo: “O tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo: Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Marcos 1:15)

Um pouco antes dEle ser assunto aos céus, o Senhor Jesus deu essa comissão aos Seus discípulos dizendo: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15-16)

Primeiramente a pessoa ouve o Evangelho, entende a mensagem do amor e da graça de Deus manifestados na cruz do Calvário. Ela percebe que estava errada e muda de atitude (arrependimento). Ao mesmo tempo ela crê. Ela abraça por fé. Ela aceita Jesus Cristo como o seu Único Senhor e Salvador e depois ela é batizada. O batismo é um tesemunho público daquilo que já aconteceu no seu coração (o batismo jamais pode salvar alguém – leia Romanos 6:3-4). Continue lendo